segunda-feira, novembro 05, 2007

Maratona

Fdx! Here I go again...
Caras amarguradas com os olhos no chão à espera que chamem o seu nome.
Velhotes “abandonados” nos corredores, a maior parte com aspecto meio cadavérico e sempre o inconfundível cheiro a hospital que nos relembra que estamos ali para esperar.
Nada de novo desde a ultima vez…
Perante aquele cenário moribundo de acamados a gemer, quase me sinto culpado por ali estar quando consigo andar, correr, sorrir…Ter alguem à minha espera!
Confirmo apenas, enquanto espero que me chamem (provavelmente em Espanhol), que nunca na vida teria perfil para trabalhar naquele ambiente.
Em frente ao balcão da senha amarela onde me encontro a deambular feito urso sem mel, está a sala de ressuscitação. Uma enfermeira gordinha com umas sandálias croks (ou qualquer coisa parecida, mas igualmente ridicula) amarelas com 2 bonecos pendurados, deixou a porta aberta. Vejo 2 médicos a tentarem um milagre…
{Fechem a porta por favor!} – peço eu em silêncio, tentando não me contaminar pela frieza dos momentos coleccionados até aquela etapa. E a maratona ainda vai a meio, mentalizo-me…
Felizmente que nessa manhã tinha resgatado do baú o meu mini-disk para usar na maré de domingo. O meu mais fiel companheiro de jogging e aventuras Lisboetas, esta noite aguentou-se bem o sacana…E aguentou-me!
Uma voz!
uma ordem!
E sigo para o Raio X.
Boa;) Já são 1h30 da manha!
Cedo a minha vez a um velhote de barba branca muito mal amanhada (confirmei mais tarde não se tratar do Pai Natal) e a uma criança meio assustada com tudo aquilo (confirmei mais tarde que não era a Maddie).
Ao meu lado uma pitinha bem desenvolvida para a idade, demasiado diria mesmo, barafusta perante a situação. A minha cedência também implica retardar a sua entrada.
Ás 2h da manhã a paciência é tão rara como encontrar o Saramago a fazer kitesurfing na barrinha.
Mesmo assim tentei falar com a rapariga e explicar-lhe a situação...
Perguntei-lhe se compreendia o porquê da existência de lugares nos transportes públicos reservados a grávidas, pessoas com crianças ou pessoas com dificuldades motoras.
Não percebeu…Não se esforçou por perceber… Barafustou ainda mais!
Não rebati...
Aumentei o volume dos phones e deixei o frank Black cantar um hit dos meus 15 anos, enquanto a miuda gesticulava sozinha...



O tempo passou, regressei ao ponto de partida. Ao balcão da senha amarela.
Estava num serviço de Urgência mas não numa Sra Urgência. Nenhum otorrino no perímetro das proximas horas....
Fui visto por uma Dra ortopedista muito minuciosa e simpática que deu o seu veredicto: - " Não está partido mas volte amanha para ser visto convenientemente… "
2h50 da manhã e digo adeus àquele filme onde entrei sem querer ser convidado…
Saio mais fodido do que quando entrei...
Dói-me o nariz…
Mas vou dormir muito bem!

6 comentários:

José Goulão disse...

Fdx
Tive a ler isto até ao fim com medo que fosse o teu joelho de novo! Ainda bem que é "só" o nariz companheiro.

(já te disse que sou fã da tua escrita, não já?)

grande abraço e as melhoras

a. disse...

também pensava que eram as "rodillas"...
menos mau!

pensa assim, antes agora que depois numa escada marota qualquer... perdida por esse mundo...
de qualquer forma, já estás habituado a tomar banho na praia à canito, cabeça de fora para não molhar o penso!

António Guerreiro disse...

oh meu caro canhoto..
ao ler esse teu conteúdo tive, por breves e tortuosos momentos, uma sensação de dejá-vu. Na noite de natal último - que eu por vontade própria [isto é verdade, podia ter evitado!] decidi passar 11 horas naqueles corredores que fazem inveja a muitos filmes noir - vi o moby. Nunca percebi a razão de ele estar na personagem do ansião no clip «natural blues». Confirmo que era ele que estava deitado gemindo angústias presas na alma, amplificadas pela posiçao horizontal do seu corpo.

Coisas curiosas, as nossas.

Abraço [ dur. 3.1 segs.; a cores]

Seamoon disse...

Tens uma alma linda,e as tuas palavras e gestos são um pequeno exemplo disso...
mil jinhos.

Anónimo disse...

gosto do que leio..do que já li.

belíssimas palavras escritas, textos que sabem bem!

abraço

marta

Anónimo disse...

;) não tens pais médicos!!! vai aos hospitais do BES... Nao existem em Faro... tas fudido.. :p
O Paz o pão, saúde, educação... ai nao!!!! tdos pro caralho... as melhoras do nariz ;)
farruskko