quinta-feira, janeiro 17, 2008

1+1=2

Ultimamente, após a tomada de posição final do Governo sobre a localização do futuro aeroporto, o Sr. ministro das Obras Publicas, Eng. Mário Lino tem se desbloqueado em reuniões negociais com a administração da Lusoponte.

Com quem?
Para quê?

Façamos um rápido flasback na história recente.
Na década de noventa, o Eng. Ferreira do Amaral era ministro das Obras Publicas do governo social-democrata liderado pelo actual Presidente da Republica Exmo. Dr. Cavaco Silva.
Na altura, na fase de planeamento e projecto da ponte Vasco da Gama, o Eng. Ferreira do Amaral concedeu à empresa Lusoponte um acordo de exclusividade no atravessamento rodoviário do rio Tejo.
Ou seja, este ministro, atribuiu o monopólio de pontes no rio Tejo àquela empresa.
Monopólio de construção e exploração...
O que significa que hoje, amanha, e sempre, qualquer nova travessia que seja edificada naquele rio terá que ser da responsabilidade da Lusoponte. Caso contrário, a empresa receberá uma indemnização…Milionária, como seria de prever.
?!?
Estranho…
Acordo, pouco lógico este que se apresenta extremamente lesivo e limitador para o estado e consequentemente para todos os contribuintes…

Voltemos ao presente…

O governo pretende construir uma 3ª travessia do Rio Tejo.
Como tal, negoceia com a Lusoponte a indeminização a pagar… Com o dinheiro de todos os Portugueses.
Uma nota final:
O actual presidente da empresa Lusoponte é o Eng. Ferreira do Amaral, o mesmo que concedeu a exclusividade à empresa enquanto ministro.

Humm…
Continuo sem perceber…

2 comentários:

tubarão disse...

apetece perguntar:

- quando é que chega Abril, outra vez!?!?!?

xulos!!!

abraço ;o)

Veloso disse...

Para estes factos já não há 1as páginas sensacionalistas!!!!
Conivência total da imprensa e dos partidos políticos...
E o Presidente, que critica (e bem) os altos salários de alguns gestores é o autor desta negociata que beneficia o Sr. Engº. Ferreira do Amaral em detrimento de milhões de pessoas...