terça-feira, fevereiro 19, 2008

O meu amor existe

Hoje, tudo o que poderia aqui escrever teria inevitavelmente que passar para um 2º plano, perante a delicadeza introspectiva que esta musica e estes versos me provocam…
Oiço-a há muitos anos.
Não me canso de a ouvir….
Duvido mesmo que algum dia isso aconteça… Seria um sério aviso à integridade da espinha dorsal dos meus sentimentos.
Há medida que o passar do tempo me obriga a ser irónico e me caleja o “andar”, ouvir esta música continua a ser um poderoso click instantâneo que me faz sorrir com aquele brilhozinho especial…
Hoje voltou a acontecer…
O shuffle do iPod disparou-a na minha direcção, em plena fila do Hipermercado… E a banalidade do acto de alimentar a dispensa desapareceu.
Não vi nenhum trevo na tromba de um elefante. Não vi nenhum elefante. Mas pouco interessava…
A minha fantasia era outra!
Pouco interessava o olhar frio de estranheza e desdém do cliente atrás de mim, como se toda a gente tivesse que andar zangado com a vida…
Pouco interessava a postura robótica e quase ditatorial da menina da caixa que interrompia o “meu momento” com perguntas automáticas disparadas a velocidade fulminante sobre o modo de pagamento, se pretendia factura, onde acabavam os meus artigos, se queria o leite em sacos, etc…
Nada interessava!
Naquele momento, eu só queria ouvir a música e sorrir interiormente enquanto sussurrava os versos que sei de cor há muitos Invernos. Eu só queria acreditar que o meu amor existe!

"O meu amor tem lábios de silêncio
E mãos de bailarina
E voa como o vento
E abraça-me onde a solidão termina

O meu amor tem trinta mil cavalos
A galopar no peito
E um sorriso só dela
Que nasce quando a seu lado eu me deito

O meu amor ensinou-me a chegar
Sedento de ternura
Sarou as minhas feridas
E pôs-me a salvo para além da loucura.

O meu amor ensinou-me a partir
Nalguma noite triste
Mas antes, ensinou-me
A não esquecer que o meu amor existe."


J. Palma

12 comentários:

tita disse...

Incrivel o que uma simples música consegue fazer por nós. O turbilhão de sentimentos que ela acorda com o simples iniciar dumas notas soltas...

a. disse...

"eu tenho um certo gozo em ver-te contente!"
:)

aquele abraço cigano!

José Goulão disse...

andei a semana toda a falar com uma amiga minha sobre isto... banda sonora das nossas vidas. Tantas vezes tenho a sensação que aqui descreves. De um momento para o outro passamos de um deles a um à parte que os vê de maneira diferente por aquilo que estamos a sentir e lembrar naquele momento..

A partir de agora, sempre que quiser verbalizar algo que sinta começo digo para virem ver o teu blog :) Tá cá tudo
és grande, companheiro

Abração, sexta vamos ao banho de bolhas?

Estrelinha... disse...

Grande letra... Foi um dos teus "clicks"...
(Grande blog! O Goulão "apresentou-nos". Tomei a liberdade de pôr um link...*)

poca disse...

acho que acreditar já é meio caminho para nos pôr a sorrir :)

Untitled disse...

Companheiro Ginobili, este poeta há-de ser eterno e normalmente só dão valor aos genios depois de mortos, mas nós somos da minoria e sentimos as suas palavras, valorizando silaba a silaba.

Obrigado Vidaleco!

p.s. - Dia 29 de Fevereiro no CCB

Anónimo disse...

Você poderia escrever o nome dessa música? Vc escreve muito bem! Gostei muito da letra da música e me vem a calhar neste momento de minha vida. Enhorabuena!!!

Seamoon disse...

olha..o meu coment não ficou?
hum..amuei :(

CANHOTO* disse...

A musica chama-se "O meu Amor existe" do Jorge Palma;)

Seamoon disse...

Opahh era o outro..eu transcrevo.

"Acredita!!!"

Mil jinhos.

;)))

Anónimo disse...

Obrigada, ja a tenho gravada. Vou envia-la para alguem que amei muito. Saludos

Pantera Cor-de-Rosa disse...

Eu adoro as letras do Jorge Palma, e também gostei muito do teu Blog!!!
Parabéns!!! Voltarei ;)