quarta-feira, agosto 05, 2009

Sei lá, sei lá...

Tenho tido muito pouco tempo para me sentar aqui a escrever umas banalidades/desabafos.
Não por falta de vontade, não por falta de novidades, não por falta de necessidade de me soltar um pouco do turbilhão de coisas a acontecer à minha volta...
Está tudo bem!

Embarco com a maior da sinceridade no cliché preciso de férias. Fazem me falta uns diazinhos fora do ritmo de trabalho e fora do meu ambiente habitual. Fazem me falta, é verdade...

Ando estupidamente sensível. Ao ponto (aquele ponto naive) de pensar que qualquer musica que oiço foi feita para me dizer alguma coisa sobre o que se está a passar...
Tive que deixar de ouvir Vinicius nestes dias. Estava a desenvolver uma relação visceral com as letras das musicas que me levaria à loucura...
Está tudo bem!

Uns mergulhos no Alentejo vão ser mel para a minha cabeça...Três dias já é qualquer coisa!

"Sei lá, sei lá
A vida é uma grande ilusão
Sei lá, sei lá
A vida tem sempre razão"

Hoje a caminho de Olhão (essa bela localidade...), na zona do Rio Seco (ainda melhor...) passei por uma casa pintada de Rosa forte quase choc.
Vieram me à memória, num ápice com estalos de flashes gigantes, grandes recordações de uma grande noite quente no Rio de Janeiro.
Domingo parecia reservar uma noite calma.
Nada mais errado... A casa rosa tem animação garantida todo o santo dia. E não há dia mais santo que domingo;)
Noite de feijoada, roda de samba no exterior, forró numa das salas, drum and bass no interior, concerto rock ao vivo noutra sala, muita skoll fresquinha e animação em todo o santo metro quadrado. Meu Deus! Que noite boa na Cidade Maravilhosa...
A casa rosa é um antigo casarão bordel do inicio de século XX transformado em casa cultural. Recomendo a feijoada (com carne seca como deve ser...) que dá forças para aguentar a dança até de manhã;)


Estou mesmo a precisar de uma Senhora (com "s" grande) viagem para recargar baterias.
É inevitável! Já me conheço bem...
Cheguei ao ponto anual em que preciso, sem pestanejar, de uma daquelas viagens de 2 semanas para bem longe para voltar para mais perto de mim...
Ainda não sei para onde, quando e com quem...
Mas sei que vou e isso já funciona, só por si, como um muito bem vindo balão de oxigénio.
Está tudo bem!

1 comentário:

José Goulão disse...

ainda bem que está tudo bem camarada ;) e estou a atingir o mesmo ponto de que falas em que só aqueles 15 dias longe podem trazer-me de volta. Portanto, parceiro já tens! Ultima de Agosto e primeira de Setembro é o alvo. Podes?

Abraço encarnado daqueles carregados